Valentão

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.jpg Se procura por aquele jogo de GTA na escola, consulte o artigo Bully (jogo).
BadBoy LOGO.jpg Este artigo trata de um Bad Boy!

Se você é considerado um cara fodão, ou um valentão que sempre dá uma de fodão, seja bem-vindo, mas se vandalizar, vai morrer fudido!

O valentão é uma entidade presente em qualquer escola, seja ela pública ou privada. Ele é aquele cara burro, maromba e gigante, que aproveita-se do fato que é repetente e muitos anos mais velho que seus colegas de classe pra intimidar os pivetinhos e fazê-los de paga lanche e/ou saco de pancadas. Por ser um cara assustador e vadio, ele é considerado o líder da turma do fundão, e seus principais asseclas que o ajudam a atazanar os nerds são os maconheiros, as biscates, os palhaços e os músicos.

Características[editar]

Um valentão em ação.

Os valentões são aqueles caras que só servem pra compor cenário durante as aulas, nunca participando de nada. A esmagadora maioria vai pra escola só porque é obrigado pelos pais, e nem sabe o nome dos professores ao final do ano letivo.

Enquanto o professor está ministrando a aula, os valentões preferem fazer coisas aleatórias para passar o tempo, como mexer no celular, fazer piadas, mandar negão da piroca pros contatos do WhatsApp ou desenhar pirocas na carteira.

Mas é no pós-aula que os valentões enfim deixam de ser figurantes e passam a ser protagonistas da vida escolar. Não querendo comprar o próprio lanche ou fazer o dever de casa (até porque nem que quisessem poderiam, já que nem sabem que matéria estão estudando), os valentões decidem pegar pra Cristo os nerds, estes que são seus alvos favoritos.

Aliás, na lista do bullying, os valentões seguem o sistema proposto pelo pai dos valentões, Jason Voorhees, que sugere que as vítimas sejam, nesta ordem: nerds, gordos, viadinhos, negros, caipiras e meninas de peito pequeno. As únicas entidades do ambiente escolar livres dos valentões são os esportistas (pois os valentões não querem apanhar), e as meninas peitudas (pois elas são protegidas pelos esportistas citados anteriormente, e os valentões realmente não querem apanhar).

Reconhecendo um valentão[editar]

Reconhecer um valentão não é uma das tarefas mais complicadas.

Já dizia Sun Tzu, é importante conhecer seu inimigo para vencer a batalha, ou nesse caso específico, para não apanhar. Uma das maneiras mais simples (mas não muito saudável) para saber se alguém se alguém é um valentão é olhar pro suspeito com cara de bravo. Se ele bater, encarar com um olhar frio ou trancar o investigador em um armário, ele se enquadra na categoria dos valentões.

Uma outra maneira de reconhecer um valentão, que não é tão prejudicial à saúde, é apenas observar as suas características físicas e intelectuais. Se ele for um moleque de 13 anos com quase 2 metros, é grande a possibilidade dele ser um valentão. Se ele está sempre "conversando" com os nerds, também é grande a possibilidade de sua classificação ser esta. E se ele nunca consegue tirar uma nota maior do que 6 em qualquer matéria que não seja educação física, é 100% de chance dele ser um valentão (ou apenas um retardado, mas vale lembrar que apesar de todo valentão ser retardado, nem todo retardado é valentão).

Técnicas de valentões[editar]

Valentões possuem um péssimo senso de humor, e não hesitam em aplicar suas técnicas em seus bodes expiatórios.

A técnica básica dos valentões, considerada um ABC da categoria, consiste em prender seus alvos dentro do armário da escola, especialmente nerds que ignoraram a ordem de fazer um dever de casa extra ou se recusaram a entregar o dinheiro do lanche. No caso das escolas públicas brasileiras, que não possuem armários, os valentões substituem este ambiente pelos banheiros fétidos com a privada cheia de merda. Valentões que nunca prenderam seus alvos dentro do armário da escola não podem ser considerados valentões, no máximo manos.

Uma outra técnica básica muito popular entre os valentões consiste em pegar seus alvos pelo colarinho e descer o sarrafo. Esta técnica milenar também é muito aplicada em nerds, que nunca tiram as camisas com gola engomadinha, mas também pode ser aplicada sem maiores problemas nos próximos alvos prioritários dos valentões, os negros e os gays. Após pegar o ditocujo pela gola, o valentão em questão puxa o seu punho para trás e, após respirar profundamente, libera o punho, que acerta rusticamente o nariz da vítima, que perde uma quantidade considerável de sangue. Após ser mandando para a diretoria, para evitar uma possível suspensão, o valentão diz que ele na verdade foi atacado pela vítima, que lhe deu narigadas na mão.

Treinamento anti-valentão.

Uma técnica intermediária conhecida apenas pelos valentões com alguma experiência, considerada uma marca-registrada da categoria, é o cuecão, que consiste em agarrar aquele pedacinho da cueca do alvo que salta pra fora da calça e puxar para o alto até a roupa íntima entrar no rego da vítima, virando um fio-dental. Esta técnica é bastante eficaz contra estudantes que andam com aquelas cuecas do vovô, que possuem uma elasticidade maior e atocham completamente na bunda ao serem puxadas. Uma variação desta técnica é o chá de calcinha, mas os valentões geralmente não possuem coragem o suficiente para aplicar a técnica em mulheres do sexo feminino.

Uma técnica milenar presente apenas no repertório dos valentões avançados, com muitos anos de experiência na arte da intimidação, é a voadora de duas pernas. A maioria dos valentões não consegue aplicar esta técnica com perfeição, pois pesam mais de 100 quilos e não conseguem sair do chão. Porém, esta é uma das técnicas mais perigosas e intimidadoras, principalmente se o valentão em questão fizer parte da equipe de futebol e estiver usando chuteiras com travas de aço. Este golpe é muito utilizado por um dos padrinhos dos valentões, Felipe Melo.

Por fim, a técnica máxima suprema de qualquer valentão, considerada uma das mais importantes no repertório destes seres, é o "te pego na saída!" Para executar esta técnica, primeiro o valentão faz uma de suas típicas ameaças aos seus desafetos, plantando o medo no coração de seu alvo. Ao final do período escolar, com o pavor já instalado no coração de seu alvo, o valentão o aborda e aplica, sem hesitar, qualquer uma de suas técnicas mencionadas anteriormente.